Arquivo de setembro, 2013

Revisão – Enzimas

Publicado: 6 de setembro de 2013 em Exame de qualificação da UERJ

1) A velocidade de reação V de uma enzima é dependente da concentração de seu substrato quando ele está em baixas concentrações; no entanto, quando essas concentrações são muito altas, V torna-se constante e é denominada velocidade máxima de reação (Vmáx). A tabela abaixo fornece algumas características das reações, determinadas em condições ideais, de uma mesma enzima atuando sobre três diferentes substratos, S1, S2 e S3.

Uma preparação desta enzima foi colocada em três frascos, adicionando-se a cada um deles um substrato diferente: S1, S2 ou S3. Estes substratos são, assim, transformados nos produtos P1, P2 e P3, respectivamente.

 

Considere que:

– a concentração de enzima foi a mesma em todos os frascos;

– a concentração de cada um dos substratos foi mantida constante e igual a 2 x10-9 mol/L, durante o experimento;

– as reações foram realizadas em condições ideais.

 

Ao fim de um minuto de reação, a ordem crescente das quantidades de produtos formados nos três frascos foi:

(A)P1 < P3 < P2

(B) P1 < P2 < P3

(C) P2 < P3 < P1

(D) P3 < P1 < P2

 

COMENTÁRIOS:

Esta é uma questão sobre enzimas, que aborda os efeitos da concentração de substratos sobre a velocidade das reações enzimáticas e o conceito de afinidade entre enzima e substrato.

Logo no início do enunciado, a banca explica que a velocidade da reação enzimática é dependente da concentração de substrato quando ele está em baixas concentrações e que, a partir de determinado ponto, a velocidade se torna constante. Mas por que isso acontece? A resposta é bastante simples: as reações enzimáticas são dependentes da interação entre enzima e substrato, que se dá pela ligação do substrato ao sítio ativo da enzima; no momento em que todos os sítios ativos estejam ocupados (ligados a moléculas de substratos), a velocidade da reação se manterá constante. Logo, não adianta adicionar mais moléculas de substratos, se não houver sítios ativos livres.

Logo abaixo, a banca fornece uma tabela que indica a velocidade máxima da reação e a concentração de substrato quando a reação atinge metade da velocidade máxima para três substratos diferentes (S1, S2 e S3). Esta informação é crucial para a resolução da questão. Para resolvê-la, vamos usar a dica abaixo:

– A concentração de substrato quando a reação atinge metade da velocidade máxima é chamada de CONSTANTE DE AFINIDADE. Quanto maior a concentração de substrato nesta velocidade, menor será a afinidade entre a enzima e o seu substrato e menor será a velocidade da reação.

Agora, vamos aplicar este conceito na resolução da questão. Vamos analisar a tabela: tentem verificar a ordem crescente da concentração de substrato quando a reação atinge a metade da velocidade máxima para os três substratos representados na tabela: S1, S2 e S3. Se vocês observarem com bastante atenção, poderão concluir que a ordem crescente de concentração nesta velocidade é: S2<S3<S1.

Agora vamos raciocinar. Seguindo a dica apresentada acima, me responda: “Qual a ordem de afinidade de cada substrato (S1, S2, S3) com a enzima?”. Aplicando o conceito da dica acima, veremos que a ordem de afinidade é: S1<S3<S2.

Agora que sabemos a afinidade de cada substrato pela enzima, vamos tentar ordenar as velocidades de formação dos produtos. Para isso, vamos aplicar novamente a dica acima, que diz que quanto menor a afinidade, menor será a velocidade da reação. Sendo assim: “Qual produto será formado mais rápido? E mais lentamente?”; o produto formado mais rápido será aquele que o substrato possui maior afinidade pela enzima e o mais lento será aquele cujo substrato possui menor afinidade pela enzima. Sendo assim, como o substrato S2 é aquele que possui maior afinidade pela enzima, o produto formado mais rapidamente será o P2. Por outro lado, o substrato que possui menor afinidade pela enzima é o S1; logo, o produto formado mais lentamente será o P1. Logo, a resposta correta é a letra A.

 

2) A equação química abaixo representa a hidrólise de alguns dissacarídeos presentes em importantes fontes alimentares:

A tabela a seguir relaciona os resultados da velocidade inicial de reação dessa hidrólise, em função da concentração e da temperatura, obtidos em quatro experimentos, sob as seguintes condições:

– soluções de um desses dissacarídeos foram incubadas com quantidades iguais ora de suco gástrico, ora de suco intestinal rico em enterócitos;

– o tempo de reação e outros possíveis fatores interferentes foram mantidos constantes.

Os experimentos que podem corresponder à hidrólise enzimática ocorrida quando o dissacarídeo foi incubado com suco intestinal são os de números:

(A) I e II

(B) I e IV

(C) II e III

(D) III e IV

 

COMENTÁRIOS:

Esta é uma questão clássica que estuda os efeitos de alguns fatores sobre as reações químicas. Lembre-se que uma série de fatores podem afetar as reações químicas. No caso de reações enzimáticas, três fatores são determinantes para a velocidade das reações: concentração de substrato, temperatura e pH.

Saber como a temperatura e o pH afetam a velocidade das reações enzimáticas é essencial para a resolução de algumas questões de vestibular. Lembre-se que toda enzima é uma proteína e, portanto, possui uma conformação nativa (forma como a proteína se dobra e se enrola em função das interações entre seus aminoácidos). Além disso, lembre-se que a conformação nativa afeta a atividade funcional de qualquer proteína ou enzima. Sendo assim, mudanças no pH e na temperatura são capazes de afetar a conformação nativa da proteína ou da enzima e, consequentemente, afetar a sua atividade e a velocidade das reações químicas.

Agora vamos tentar descobrir quais experimentos representam a hidrólise enzimática, ou seja, a reação que tem a participação de uma enzima. Para isso, vamos procurar experimentos em que houve alteração em algum destes fatores. No caso da questão, avaliou-se apenas a influência da concentração de substrato e da temperatura. Nos experimentos I e III manteve-se a concentração de substrato constante e variou-se a temperatura ao longo do tempo, enquanto nos experimentos II e IV manteve-se a temperatura e variou-se a concentração de substrato.

Com base em nossos conhecimentos sabemos que:

– A velocidade das reações enzimáticas varia em função da concentração de substrato quanto este está em baixas concentrações. A partir de determinada concentração, a velocidade da reação se torna constante.

Sendo assim, qual dos dois experimentos que variam a concentração de substrato (II ou IV), pode representar uma reação enzimática? Se você disse que o experimento IV, está correto. Nos dois experimentos, o aumento da concentração de substrato sempre leva a um aumento na velocidade da reação. Contudo, no experimento II, verificamos que, sempre que aumentamos a concentração de substrato, a velocidade aumenta 10 unidades. No experimento IV, por sua vez, verificamos que, à medida que aumentamos a concentração do substrato, a velocidade da reação aumenta; contudo, este aumento vai se tornando cada vez menor (repare que primeiro aumenta 20 unidades, depois só 5 unidades e depois só duas unidades), o que indica uma tendência a se tornar constante.

Agora vamos analisar os experimentos I e III. Então, pergunto a vocês: “Qual desses dois experimentos representa uma reação enzimática?”. Para auxiliá-los, tentem seguir a dica abaixo:

– Toda enzima possui um pH e uma temperatura ótimas para a sua atividade. As mudanças na temperatura e no pH podem provocar a desnaturação das enzimas ou proteínas, o que provoca a perda da conformação nativa e a perda de atividade biológica (a enzima deixa de funcionar), o que leva a uma queda brusca na velocidade da reação.

A partir desta dica, a qual conclusão podemos chegar? Se você disse que o experimento I representa a reação enzimática, está correto. Observe que no experimento III, a velocidade da reação sempre aumenta conforme aumentamos a temperatura; isso contradiz a dica acima. Sendo assim, a reação enzimática é representada pelo experimento I, visto que existe uma temperatura (40ºC) em que a atividade enzimática é máxima. Além disso, quando aumentamos a temperatura para 80ºC, a velocidade da reação cai bruscamente (isso é um clássico indicativo de que a reação é catalisada por uma enzima).

Sendo assim, a resposta correta é a letra B.

 

3) Existem dois tipos principais de inibidores da atividade de uma enzima: os competitivos e os não competitivos. Os primeiros são aqueles que concorrem com o substrato pelo centro ativo da enzima. Considere um experimento em que se mediu a velocidade de reação de uma enzima em função da concentração de seu substrato em três condições:

• ausência de inibidores;

• presença de concentrações constantes de um inibidor competitivo;

• presença de concentrações constantes de um inibidor não competitivo.

Os resultados estão representados no gráfico abaixo:

A curva I corresponde aos resultados obtidos na ausência de inibidores. As curvas que representam a resposta obtida na presença de um inibidor competitivo e na presença de um não competitivo estão indicadas, respectivamente, pelos seguintes números: 

(A) II e IV

(B) II e III

(C) III e II

(D) IV e III

 

COMENTÁRIOS:

Esta questão aborda o tema inibição enzimática. Para resolvê-la, devemos aplicar as seguintes dicas:

– Inibição competitiva: o inibidor é parecido com o substrato e compete com ele pela ligação ao sítio ativo da enzima, ou seja, ele afeta a ligação da enzima ao substrato. Contudo, se a concentração de substrato for mais elevada que a do inibidor, o substrato poderá se ligar a enzima e a reação ocorrerá normalmente, atingindo a MESMA velocidade máxima que a reação na ausência do inibidor. Então, neste tipo de inibição, a reação atinge a velocidade máxima, mas demora mais tempo para isso e exige uma concentração de substrato maior.

– Inibição não-competitiva: o inibidor afeta a estrutura química da enzima (altera sua conformação nativa). Neste caso, a reação nunca atingirá a mesma velocidade máxima que a reação na ausência do inibidor.

Agora vamos pensar. Tentem aplicar os conceitos acima na análise do gráfico da questão. Sabendo que, na inibição competitiva, a reação atinge a velocidade máxima, qual curva do gráfico representa esta situação? Se analisarmos o gráfico, veremos que somente uma curva, a II, representa uma reação na presença de inibidor, que atinge a velocidade máxima. Logo, a curva II representa a ação de um inibidor competitivo.

Agora tentem observar no gráfico qual a curva em que a reação ocorre, mas não se atinge a mesma velocidade máxima que a reação na ausência do inibidor. Se observarmos com atenção, somente a curva III representa tal situação. Logo, ela representa a ação de um inibidor não-competitivo.

Sendo assim, a resposta correta é a letra B. 

 

4) Em um experimento, em condições adequadas, foram medidas as velocidades de reação V de uma enzima, em função do aumento da concentração de seu substrato S. O gráfico abaixo indica variações de 1/v em função de S.

A curva que deve representar o resultado experimental é a identificada por:

(A) W

(B) X

(C) Y

(D) Z

 

COMENTÁRIOS:

Esta é outra questão que relaciona a velocidade de uma reação enzimática com a concentração de substrato. Para resolvê-la, basta seguirmos a seguinte dica:

– A velocidade das reações enzimáticas varia em função da concentração de substrato quanto este está em baixas concentrações. A partir de determinada concentração, a velocidade da reação se torna constante.

A partir desta dica, pergunto a vocês: “Qual curva do gráfico representa a reação enzimática?”. Acredito que muitos de vocês tenham pensado logo na curva X, mas tenham muito cuidado e atenção nesta questão. Ela possui uma pegadinha. Se o gráfico representasse a concentração de substrato no eixo X e a velocidade da reação no eixo Y, a resposta correta seria realmente a curva X. Contudo, o eixo Y representa o inverso da velocidade (1/v). Logo, a curva da reação enzimática estará invertida. Sendo assim, a resposta seria a letra D (curva Z). 

 

BOM ESTUDO A VOCÊS!!!

Anúncios

1) A figura abaixo representa uma célula de uma planta jovem.

Considere duas situações: 

1) a célula mergulhada numa solução hipertônica;

2) a célula mergulhada numa solução hipotônica. 

Dentre as figuras numeradas de I a III, quais representam o aspecto da célula, respectivamente, nas situações 1 e 2?

a) I e II.

b) I e III.

c) II e I.

d) III e I.

e) III e II.

 

COMENTÁRIOS:

Esta é uma clássica questão sobre osmose em células vegetais. Sempre que questões sobre osmose forem abordadas em provas de vestibular, basta seguir as seguintes regras:

– Célula em meio hipotônico: ocorre absorção de água, fazendo com que a célula fique túrgida (“inchada”).

– Célula em meio hipertônico: ocorre perda de água, fazendo com que a célula fique murcha.

Sendo assim, seguindo estas idéias, podemos concluir que, na situação 1, a célula murchará e, na situação 2, a célula ficará túrgida. Analisando as figuras, tentem verificar qual célula está murcha e qual célula ficou túrgida. Observe as figuras com atenção e verificará que a figura I representa uma célula que aumentou de volume; portanto, túrgida. Já a célula III indica uma célula que passou por uma retração de volume; portanto, murcha. Sendo assim, a resposta correta é a letra D.

 

Importante pra caramba (IPC)!!!!!!

Não se esqueça que existem diferenças marcantes entre a osmose em células animais e vegetais. Na célula animal, a absorção excessiva de água poderá provocar a RUPTURA da membrana plasmática. Isto não ocorre em células vegetais, visto que estas possuem uma estrutura chamada de PAREDE CELULAR, que confere rigidez e proteção à célula.

 

2) Um pesquisador verificou que a substância por ele estudada apresentava como efeito, em meio de cultura de linfócitos, a diminuição da concentração intracelular do íon potássio. A explicação admitida pelo pesquisador para essa diminuição foi a ocorrência de alterações na função de, pelo menos, um dos seguintes sistemas: a bomba de sódio-potássio, os canais de transporte passivo de potássio ou a síntese de ATP na célula. Os gráficos abaixo mostram possíveis alterações nas funções de cada um desses sistemas; o ponto 0 representa a função normal, na ausência da substância estudada, e o sinal positivo e o negativo representam, respectivamente, o aumento e a diminuição da função.

O gráfico no qual cada um dos três sistemas apresenta uma alteração compatível com o efeito da substância é o de número:
(A) I
(B) II
(C) III
(D) IV

 

COMENTÁRIOS:

Esta é uma questão clássica sobre transporte transmembrana, que aborda os conceitos de transporte passivo, transporte ativo e bomba de sódio e potássio.

No enunciado é mencionado que um pesquisador tratou algumas células (linfócitos) com determinada substância, o que provocou uma queda na concentração de íons potássio no interior da célula. Além disso, a banca associa tal efeito a uma alteração em algum dos três sistemas apresentados na questão: atividade da bomba de sódio e potássio, permeabilidade dos canais de potássio e síntese de ATP.

Para resolver esta questão, basta lembrarmos que a principal forma de transportar potássio pela membrana é a bomba de sódio e potássio, que é um tipo de transporte ativo.  Então, vamos relembrar alguns pontos sobre esse tipo de transporte:

– Ocorre contra o gradiente de concentração, ou seja, as partículas de soluto se movimentam da área menos concentrada para a mais concentrada.

– Ocorre gasto de ATP (energia).

Relembrando este ponto, podemos verificar que dois dos sistemas apresentados na questão estão diretamente relacionados. Quais são eles? Se você pensou na bomba de sódio e potássio e na síntese de ATP, está correto.

Então, vamos imaginar: “O que ocorrerá com a bomba de sódio e potássio caso a síntese de ATP seja afetada, por exemplo, diminuída?”. Pense o seguinte: o transporte ativo depende de ATP; logo, se não temos ATP, não haverá transporte ativo.

Agora vamos raciocinar: se estes dois sistemas estão relacionados, o aumento na função de um deles levará ao aumento na função do outro e vice-versa. Sendo assim, devemos procurar gráficos que obedeçam a este preceito: “Se a síntese de ATP diminui, o transporte ativo também diminui e vice-versa”.

Agora, analisem os gráficos da questão e tentem identificar qual(is) deles apresenta esta característica. Muito bem, se você viu que o gráfico I é o único com esta característica, está correto!

Sendo assim, a resposta correta é a letra A.

 

DICAS IMPORTANTES (NÃO SE ESQUEÇA!!): 

– Transporte passivo (difusão simples, difusão facilitada e osmose) ocorrem sem gasto de energia e, nos casos de difusão simples e facilitada, a favor do gradiente de concentração (da área mais concentrada para a menos concentrada).

– Transporte ativo sempre gasta ATP (energia). Sendo assim, se a síntese de ATP for bloqueada por alguma razão, o transporte ativo não irá ocorrer.

1) Algumas células da pele de uma mesma rã foram retiradas em sua fase girino e, depois, em sua fase adulta. Observe a tabela abaixo, na qual são mostradas as combinações possíveis das macromoléculas DNA e RNA mensageiro.

foto 1

 

Os resultados referentes à comparação das macromoléculas das células da rã nas fases girino e adulta estão indicados pelos seguintes números:

(A) 1 e 3

(B) 1 e 4

(C) 2 e 3

(D) 2 e 4

 

COMENTÁRIOS:

Esta é uma questão que exige conhecimentos sobre DNA e RNA. No enunciado é dito que foram removidas células de um girino e uma rã adulta e que, após isso, foi realizada uma comparação entre o DNA e os tipos de RNAm destas duas células. Lembre-se de dois pontos chaves para resolver estas questões:

– Após a diferenciação celular, que ocorre na transformação dos girinos em animais adultos, o DNA permanece inalterado. As células continuarão contendo a mesma informação genética.

– Após a diferenciação celular, ocorre mudança nos tipos de RNAm. Isso se deve ao fato das células se tornarem mais especializadas; logo, irão expressar apenas os genes das proteínas relacionadas com as suas funções.

Obs: estas regras valem para qualquer processo de diferenciação celular, que ocorra em qualquer ser vivo.

Sendo assim, a resposta desta questão e letra B.

 

2) Uricotélicos são animais que excretam nitrogênio através de sua incorporação em ácido úrico, substância pouco solúvel em água. Já os mamíferos excretam o nitrogênio sob a forma de ureia, composto muito solúvel em água. Considere a hipótese de que, em algum momento do futuro da Terra, a água se torne progressivamente escassa. No gráfico abaixo, as curvas representam as taxas de crescimento populacional de diversos grupos animais em função da crescente dificuldade de obtenção de água.

foto 1

 

Com base no conceito de seleção natural, a curva que poderia representar os animais uricotélicos é a identificada por:

(A) P

(B) Q

(C) R

(D) S

 

COMENTÁRIOS:

A leitura inicial do enunciado dá a falsa impressão de que a questão aborda o tópico sobre fisiologia excretora. Contudo, a pergunta é bastante clara quando se refere à seleção natural; portanto, trata-se de uma questão sobre evolução das espécies.

Para resolvê-la, vamos relembrar o conceito de seleção natural. Esta teoria foi desenvolvida por Charles Darwin e seus preceitos foram publicados no livro “A origem das espécies” em 1859. Ela aborda a idéia de que existe variação entre os diferentes indivíduos (hoje sabemos que a fonte desta variação é a ocorrência das mutações, assim como a recombinação gênica e a reprodução sexuada) e que o ambiente seleciona as características mais vantajosas e adaptadas para sobreviver naquela condição ambiental. Com esses conceitos poderemos responder a esta questão.

Agora vamos buscar as informações relevantes para a resolução. São elas:

– Uricotélicos eliminam o ácido úrico, que é pouco solúvel em água.

– Ureotélicos eliminam a uréia, que é muito solúvel em água.

– Condição ambiental: a água se tornou escassa.

 

Agora vamos raciocinar juntos: “Sob escassez de água, os animais poderão perder grandes volumes de água na urina ou deverão reter mais líquido?”; se você pensou que deverão evitar a perda de água (reter mais líquido), está correto. Agora vamos pensar: “Qual grupo de animais está mais adaptado a evitar a perda de água?”; o enunciado nos dá essa informação, dizendo que animais uricotélicos eliminam um resíduo pouco solúvel em água. Sendo assim, os uricotélicos são os animais mais bem adaptados a esta condição ambiental. Então: “O que deverá ocorrer com a população de uricotélicos?”. Vamos aplicar o conceito da seleção natural para responder isso. Os indivíduos mais adaptados tendem a sobreviver; uma vez que sobrevivem, poderão se reproduzir, o que levará ao aumento do tamanho da população destes indivíduos. Sendo assim, ao analisarmos o gráfico, veremos que a única curva que representa o crescimento da população é a curva S. Logo, a resposta correta é a letra D. 

 

FAÇAM BOM PROVEITO!!!

1) Qualquer célula de um organismo pode sofrer mutações. Há um tipo de célula, porém, de grande importância evolutiva, que é capaz de transmitir a mutação diretamente à descendência. As células com essa característica são denominadas:

(A) diplóides

(B) somáticas

(C) germinativas

(D) embrionárias

 

COMENTÁRIOS:

Para resolvermos esta questão é necessário lembrarmos o conceito de mutação e o tipo de célula capaz de transmiti-las. Uma mutação é uma alteração na sequência de DNA, que pode ou não alterar a sequência de aminoácidos presentes na proteína. Estas mutações podem ser transmitidas aos descendentes somente por um tipo celular. Agora vamos pensar: “Qual célula é responsável por transmitir as características dos pais para os filhos?”; se você pensou nos gametas, está correto. Por fim, é importante lembrarmos que os gametas são células que possuem metade da quantidade de cromossomos; portanto, não podem ser células diplóides, nem somáticas e nem embrionárias. Logo, a resposta correta é a letra C.

 

2) O hormônio aldosterona, produzido pela região cortical das glândulas suprarrenais, aumenta a absorção do íon Na+ pelos túbulos renais. Quanto menor a concentração desse íon nos líquidos extracelulares, maior é a produção de aldosterona. Em um experimento para analisar o funcionamento dos túbulos renais, alguns pacientes foram submetidos a quatro diferentes dietas alimentares. Os resultados obtidos estão indicados no gráfico abaixo, no qual a barra I corresponde à taxa de absorção de água em um paciente com valor normal de concentração extracelular de Na+

Imagem

 

A barra que indica o resultado correspondente a um paciente submetido a uma rígida dieta de restrição de NaCl é a de número:

(A) II

(B) III

(C) IV

(D) V

 

COMENTÁRIOS

O enunciado desta questão apresenta informações relevantes: quanto menor a concentração de sódio nos líquidos extracelulares, maior será a produção de aldosterona e que este hormônio induz a absorção de sódio. Utilizando estas duas informações, podemos resolver esta questão. Vamos ver como?

Na resposta, a banca quer que indiquemos qual barra do gráfico representa o indivíduo submetido a uma dieta de restrição de NaCl. Então, vamos analisar a situação: “Sob dieta de restrição de NaCl, a concentração de sódio irá diminuir ou aumentar no corpo?”; se você pensou em diminuir, está correto. Então, temos que nos perguntar: “Nesta condição, a reabsorção de sódio irá aumentar ou diminuir?”; muito bem, irá aumentar, pois sob baixa ingestão de sódio, o corpo necessitará reter mais sódio no corpo. Por fim, temos que pensar: “Se a reabsorção de sódio aumentar, o que ocorrerá com a taxa de absorção de água?”. Neste caso, a maior retenção de sódio irá estimular a maior absorção de água. Logo, a resposta correta será letra B, que indica a curva III.

 

3) A mutação no DNA de uma célula eucariota acarretou a substituição, no RNA mensageiro de uma proteína, da 15ª base nitrogenada por uma base C. A disposição de bases da porção inicial do RNA mensageiro da célula, antes de sua mutação, é apresentada a seguir:

Imagem

 

Observe os códons correspondentes a alguns aminoácidos:

Imagem

 

Sabe-se que o códon de iniciação de leitura é AUG. A probabilidade de que a proteína a ser traduzida pelo RNA mensageiro da célula que sofreu mutação não apresente alterações na disposição de seus aminoácidos é de:

(A) 0

(B) 0,25

(C) 0,50

(D) 1,00

 

COMENTÁRIOS:

Nesta questão devemos nos lembrar de que o código genético é um código de trincas, ou seja, cada trinca de nucleotídeos codificará um determinado aminoácido.

Após isso, é necessário identificar em qual ponto da sequência houve a mutação. No enunciado é dito que a mutação ocorreu na décima quinta base nitrogenada. Então, vamos analisar a sequência apresentada na questão e tente me responder: “Qual foi a troca observada?”. Se você tiver tido atenção, verificou que a décima quinta base nitrogenada é uma uracila (U) e que a trinca encontrada na proteína normal é UUU. Agora, vamos olhar o enunciado. Se você teve atenção, verá que é dito que esta base foi substituída por uma citosina (C); logo, a trinca na proteína alterada é UUC.

Uma vez que já identificamos a mutação e quais as trincas que são encontradas nas proteínas normal e alterada, poderemos saber qual aminoácido é encontrado nesta posição. Então, comparando tal informação com aquela apresentada na tabela, verificaremos que as trincas UUU e UUC indicam um mesmo aminoácido, a fenilalanina.

Sendo assim, pergunto: “Qual a probabilidade de haver troca no aminoácido em função desta alteração?”. Se não houve mudança de aminoácido, a probabilidade de não ocorrer mudança no aminoácido é igual a um. Logo, a resposta é letra D.

 

4) Durante o ciclo menstrual, as concentrações sanguíneas de hormônios hipofisários e ovarianos sofrem notáveis variações. Os gráficos abaixo ilustram essas variações, ocorridas durante um ciclo de 28 dias.

Imagem

 

O gráfico que representa o hormônio progesterona, em um ciclo menstrual normal, está indicado pela seguinte letra:

(A) W

(B) X

(C) Y

(D) Z

 

COMENTÁRIOS:

Esta é uma questão que tem sido comum nos dois últimos anos e exige conhecimento sobre o funcionamento do ciclo menstrual.

O ciclo menstrual é caracterizado por uma série de eventos, como, por exemplo, ovulação, espessamento do endométrio e descamação do útero (menstruação). Ele tem a participação de quatro hormônios: FSH, LH, progesterona e estrogênio.

Para resolver esta questão, devemos entender quais hormônios em casa fase do ciclo menstrual.  O ciclo está dividido em três períodos básicos: fase pré-ovulatória, ovulação e fase pós-ovulatória.

Na fase pré-ovulatória, o aumento nos níveis de FSH leva ao amadurecimento de folículos ovarianos, enquanto o pico de LH coincide com a liberação do óvulo (ovulação). Além disso, o aumento nos níveis de estrogênio durante esta fase leva ao espessamento do endométrio.

Na fase pós-ovulatória, verificamos um aumento significativo nos níveis de progesterona, que inibe a menstruação e induz o espessamento do endométrio.

Com as informações discutidas acima já é possível responder a questão. Então, pergunto a vocês: “Quais hormônios atuam na fase pré-ovulatória e na fase pós-ovulatória?”. Se você pensou que FSH, LH e estrogênio atuam na fase pré-ovulatória e que a progesterona atua na fase pós-ovulatória está perfeitamente correto. Sendo assim, verificamos que o único gráfico que mostra um hormônio que atua somente na fase pós-ovulatória é o gráfico W. Logo, a resposta correta é letra A.

 

5) A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do pH do meio.

Observe o gráfico:

Imagem

 

A curva que representa a variação da atividade da quimiotripsina, enzima proteolítica encontrada no suco duodenal, é a identificada pela seguinte letra:

(A) W

(B) X

(C) Y

(D) Z

 

COMENTÁRIOS

Esta é uma questão que fala sobre fisiologia digestiva. Observe que uma enzima é citada: a quimiotripsina. Além disso, é mencionado no enunciado que ela está presente no duodeno. Estas duas informações são essenciais.

Para resolver esta questão basta lembrarmos do pH característico de cada órgão digestivo e cruzar tal informação com o órgão onde a enzima citada é encontrada.

No enunciado, diz-se que a quimiotripsina é encontrada no suco duodenal. Então, vamos pensar: “O duodeno é uma parte de qual órgão?”; muito bem, se você disse intestino delgado, está correto. Agora, vamos nos perguntar: “Qual o pH característico dos sucos digestivos que atuam neste órgão?”. Use a tabela abaixo como consulta importante para resolver questões sobre digestão:

Imagem

 

Usando esta tabela, podemos verificar que o pH característico das enzimas intestinais está compreendido no intervalo entre 7 e 8. Logo, a curva X é a única que representa uma enzima intestinal como a quimiotripsina. Sendo assim, a resposta correta é a letra B.

 

6) Um dos equipamentos de segurança de uma cápsula espacial tripulada efetua a remoção do gás carbônico desse ambiente. Admita que, após um acidente, esse equipamento tenha deixado de funcionar. Observe as curvas do gráfico abaixo:

Imagem

 

A curva que representa a tendência do que deve ter ocorrido, após o acidente, com o pH sanguíneo dos tripulantes está identificada por:

(A) W

(B) X

(C) Y

(D) Z

 

COMENTÁRIOS:

Esta questão fala sobre um equipamento responsável pela remoção do gás carbônico. Então: “O que ocorrerá caso esse equipamento deixe de funcionar?”; se você pensou que o gás carbônico irá se acumular, está correto. Agora, perguntou a vocês: “O que ocorrerá com o pH sanguíneo caso o gás carbônico se acumule?”. Neste momento, lembre-se o gás carbônico pode se combinar com a água formando o ácido carbônico, o que aumenta a acidez do sangue.

Lembre-se da escala de pH: quanto maior a acidez, menor o pH. Sendo assim, se houve acúmulo de gás carbônico devido a falha no funcionamento do equipamento, o pH do sangue irá se tornar mais ácido e menor. Logo, a resposta correta é a letra D.

FAÇAM BOM PROVEITO!!!